*** em construção ***



sexta-feira, 27 de agosto de 2010

FRANCIS FORD COPPOLA - Estados Unidos


PÁGINA NO IMDB
PÁGINA NA WIKIPÉDIA


FILMOGRAFIA:

2009 - Tetro (Tetro)
2007- Youth without Youth.
1997 – O Homem Que Fazia Chover (The Rainmaker).
2001 – Apocalypse Now: Redux.
1990 – O Poderoso Chefão Parte III (The Godfather: Part III)
1992 – Drácula de Bram Stoker (Bram Stoker's Dracula)
1996 – Jack.
1989 – Contos de Nova York (New York Stories. Epis. A Vida sem Zoe).
1988 – Tucker, Um Homem e Seu Sonho (Tucker: The Man and His Dream)
1987 – Jardins de Pedra (Gardens of Stone.).
1986 – Peggy Sue, Seu Passado a Espera (Peggy Sue Got Married.).
1985 – Captain Eo. (Curta em Terceira Dimensão.)
1985 - Contos de Fadas- O Dorminhoco (Faerie Tale Theatre. Rip Van Winkle. TV)
1984 – Cotton Club (The Cotton Club.)
1983 – Vidas sem Rumo (The Outsiders.).
1983 - O Selvagem da Motocicleta (Rumble Fish.)
1982 – O Fundo do Coração (One from the Heart.).
1979 – Apocalypse (Apocalypse Now.).
1974 - O Poderoso Chefão Parte II (The Godfather: Part II.).
1974 – A Conversação (The Conversation.).
1972 – O Poderoso Chefão (The Godfather).
1969 – Caminhos Mal Traçados (The Rain People)
1967 – Agora Você é Um Homem (You’re a Big Boy Now.).
1966 – O Caminho do Arco-Íris (Finian’s Rainbow.).
1963 – Demência 13 (Dementia 13.).
1962 – Come On Out.
1961 – Tonight's for Sure (curiosamente exibido no Brasil como Os Amantes do Nudismo).
1961 - The Peeper (Todos filmes eróticos de curta-metragem).
1960 – Ayamonn the Terrible. Bellboy and the Playgirls ou The Belt Girls and the Playboy (cinco sequências que foram juntadas ao filme).


O mais ambicioso e polêmico cineasta americano da sua geração, capaz de se auto-destruir em produções faraônicas que serviram apenas para alimentars seu ego gigantesco para em seguida renascer das cinzas em filmes insuperáveis como “O Poderoso Chefão” e “Apocalipse Now”.

Nasceu em Detroit, Michigan, em 7 de abril. Foi assistindo televisão que ele começou a sentir o estímulo de fazer cinema. Começou com um projetor de 16 mm, rodando fitas caseiras e desenhos.

Em 1956, entrou na Universidade de Hofstra para estudar teatro, mas sua meta era o cinema e, em 1960, se inscreveu na UCLA, a mais famosa escola da época. No entanto se desapontou com a falta de recursos e a impossibilidade de ganhar experiência prática.

Foi rodar, então, três pequenos filmes eróticos, os chamados nudies (não de sexo explícito), a única maneira que encontrou para exercitar-se com uma câmera e montar um filme. Depois, foi trabalhar com o produtor Roger Corman, especialista em fitas baratas e famoso por ter dado a primeira chance a praticamente todos os grandes nomes da Nova Hollywood.

Seu primeiro trabalho foi dublar em inglês um filme russo, Battle Beyond the Sun. Mas logo se tornou o homem de confiança de Corman e foi engenheiro de som em The Young Racers e produtor associado de The Terror.

Com as sobras de outra fita e o mesmo elenco, conseguiu convencer Corman a Ihe deixar rodar um filme na Inglaterra: Dementia 13. Mas o filme passou despercebido e foi como roteirista que Coppola ficou famoso, primeiro ganhando um prêmio por Pilma Pilma (que nunca foi rodado), depois por Os Pecados de Todos Nós (de Huston), onde seu nome não figurava nos letreiros.

Seu primeiro crédito como roteirista foi em Esta Mulher É Proibida (1968, de Pollack). Depois, Paris Está em Chamas? (de Clément), Patton, Rebelde ou Herói?, de Franklin Schaffner (que deu a Coppola o Oscar de Roteiro em 1971) e O Grande Gatsby (de Jack Clayton, 1974).

Em 1967 convence a Warner Seven Arts a Ihe financiar Agora Voce É Um Homem, que o consagrou e serviu, também, como tese para obter seu diploma da UCLA. Logo em seguida, fez o pior filme de sua carreira: O Caminho do Arco-Íris, mas pelo menos acabou conhecendo durante as filmagens, um jovem que fazia estágio na produção, Lucas.

Assim começou a amizade e Coppola convenceu a Warner a produzir o primeiro filme de Lucas, THX 1138. Depois, Coppola resolveu fazer um filme modesto, com poucos atores e um orçamento mínimo, Caminhos Mal Traçados (Grande Prêmio no Festival de San Sebastian), um de seus filmes mais interessantes.

E abre seu estúdio, o American Zoetrope (Zoetrópio é um sistema permanente de projetar imagens em movimento rodando um cilindro), situado em San Francisco. Lançou em seu estúdio cineastas hoje famosos: Carrol Ballard, Hal Barwood, John Korty, Williard Huyck, Gloria Katz, John Milius, Mathew Robbins, Martin Scorsese.

Mas o fracasso de THX 1138 provocou logo a crise. Retomou o sucesso com os dois Poderoso Chefão, ambos premiados com o Oscar (Coppola ganhou o prêmio de direção apenas pelo segundo). Entre os dois, Coppola obteve a Palma de Ouro em Cannes por uma pequena obra-prima, A Conversação, ainda seu melhor filme.

Enfrentou toda sorte de problemas com Apocalypse Now: um furacão que destruiu os sets; um enfarte com o ator central, Martin Sheen; a falta de colaboração do exército. Mostrado em Cannes (ainda em sua montagem não definitiva), ganhou outra Palma de Ouro.

Depois, passou para a produção (com a famosa briga com Wenders, obrigando-o a refazer metade de Hammett) e a distribuição de filmes que considera importantes: Napoleão, de Abel Gance; Koyannisqatsi; Salve-se Quem Puder, de Godard. Mas seus excessos chegam ao cúmulo com O Fundo do Coração, onde gastou perto de U$S 30 milhões de dólares.

Os críticos detestaram o filme e foi aí que a Zoetrope faliu. A saída foi fazer filmes mais baratos: The Outsiders e Rumble Fish. Não foram grandes sucessos, mas se tornaram importantes.

Em Outsiders se reuniram vários dos jovens futuros astros do cinema americano: Matt Dillon, Rob Lowe, Ralph Macchio etc. Rumble Fish lançou Mickey Rourke e se tornou um cult-movie, mas voltou a enfrentar problemas com Cotton Club (brigas com o produtor Robert Evans) e Peggy Sue Got Married.

Ou seja, tudo com Coppola continua complicado e polêmico, como sempre. Em 1989 dirigiu um dos episódios de Contos de Nova York (A Vida Sem Zoe) e logo em seguida filmou a terceira e última parte da saga de O Poderoso Chefão estrelada por AI Pacino e recebeu um Leão de Ouro por sua carreira no Festival de Veneza.

Com Drácula de Bram Stoker realizou uma bem-sucedida e fiel versão da história original utilizando as mais variadas técnicas cinematográficas e com Gary Oldman no papel-título. Depois de alguns anos afastado, dedicado a criação de vinhos no Napa Valley, dirigiu Robin Williams em Jack, que contava a história de um menino que sofria de uma doença causadora do envelhecimento precoce.

Adaptou a obra do consagrado John Grisham em O Homem que Fazia Chover, estrelado por Matt Damon. Veio ao Brasil à convite de Guilherme Fontes supostamente para participar do desenvolvimento do projeto de um filme sobre Assis Chateaubriand (que depois foi muito polêmico).

Em 1998 recebeu o D. W. Griffith Award do Directors Guild of America. No fim da década de noventa, fez acordo com a MGM–UA para quem planejou supervisionar filmes de baixo orçamento (também remontou para o estúdio fitas alheias como Supernova de Walter Hill, que assinou com pseudônimo).

Em 2001 apresentou em Cannes, Apocalypse Now: Redux, uma versão estendida com 197 minutos, saudada pela crítica como uma obra prima.
Na premiação do próximo Oscar, Coppolla, que já ganhou antes 5 Oscars, leva o prêmio Irving G. Thalberg para excelência em produção.


Fonte: Blog do RUBENS EWALD FILHO

Nenhum comentário:

Postar um comentário