*** em construção ***



sexta-feira, 3 de setembro de 2010

O CÉU DE LISBOA – 1994


Título Original: Lisbon Story
Direção: Wim Wenders
Roteiro: Wim Wenders
Gênero: Drama
Origem: Alemanha/Portugal
Ano de lançamento: 1994
Música: Jürgen Knieper / Madredeus
Fotografia: Lisa Rinzler
http://www.imdb.com/title/tt0110361/ - 7.0/10


Sinopse:

Winter, sonoplasta alemão, atravessa a Europa para ajudar seu amigo Friedrich a acabar o filme que estava realizando sobre Lisboa. Quando chega ao seu destino encontra o local vazio, apenas com uma película inacabada, imagens sem som recolhidas nas ruas da cidade com uma velha câmera de filmar, como a de Buster Keaton em "The Cameraman". Winter decide então iniciar a captura de sons e a busca pelo seu amigo desaparecido.


Elenco:

Rüdiger Vogler ... Phillip Winter
Patrick Bauchau ... Friedrich Monroe
Vasco Sequeira ... Motorista do caminhão
Canto e Castro ... Barbeiro
Viriato Jose da Silva ... Sapateiro
João Canijo ... Escroque
Ricardo Colares ... Ricardo
Joel Cunha Ferreira ... Zé
Sofia Bénard da Costa ... Sofia
Vera Cunha Rocha ... Vera
Elisabete Cunha Rocha ... Beta
Teresa Salgueiro ... (Madredeus)
Pedro Ayres Magalhães ... (Madredeus)
Rodrigo Leão ... (Madredeus)
Gabriel Gomes ... (Madredeus)

Participação especial: Manoel de Oliveira



O que seria um documentário sobre a cidade acabou se tornando um filme humano e encantador, com reflexões sobre a arte cinematográfica em tributo à aproximação dos cem anos do cinema (a data de 28 de dezembro de 1895 é comumente conhecida como o nascimento do cinema, quando foi feita uma apresentação pública no Salão Grand Café, em Paris, organizada pelo pai dos irmãos Lumière, do filme L'Arrivée d'un Train à La Ciotat).


O Céu de Lisboa é em parte uma sequência do filme O Estado das Coisas/ Der Stand der Dinge (1982), com o mesmo personagem do diretor Friedrich, e também uma homenagem à The Road Movie Trilogy, composta dos filmes Alice nas Cidades/ Alice in den Staedten (1974), Movimento em Falso/ Falsche Bewegung (1975) e No decurso do Tempo/ Im Lauf der Zeit (1976), onde os personagens de Win Wenders trocam de geografia procurando respostas para seus conflitos.

Além das magníficas imagens de Lisboa, cuidadosamente capturadas por Wim Wenders, temos o prazer de ouvir Madredeus, integrante do elenco do filme e responsável pela trilha sonora, ver Manoel de Oliveira, cineasta português nascido em 1908, e ler Fernando Pessoa.

"Ah não ser eu toda a gente e toda a parte!" - a frase na parede é o último verso da Ode Triunfal, poema de Fernando Pessoa publicado no primeiro número da revista Orpheu, 1915, com o heterônimo Álvaro de Campos


O protagonista adota Fernando Pessoa como livro de cabeceira:

Ali não havia eletricidade.
Por isso foi à luz de uma vela mortiça
Que li, inserto na cama,
O que estava à mão para ler —
....
A "Primeira Epístola aos Coríntios" ...
...
E um grande mar de emoção ouvia-se dentro de mim...
Sou nada...
Sou uma ficção...
Que ando eu a querer de mim ou de tudo neste mundo?
"Se eu não tivesse o amor."
E a soberana luz manda, e do alto dos séculos,
A grande mensagem com que a alma é livre...
"Se eu não tivesse o amor..."
Meu Deus, e eu que não tenho o amor! ...


Nota: o poema se chama “Ali não havia” e também está como Álvaro de Campos - fiquei um tempão pesquisando mas, como cita “Coríntios”, só aparecia no google site evangélico ou aquela música linda do Renato Russo, Monte Castelo, que mescla Coríntios (epístola de S. Paulo à igreja em Corinto, onde tem a famosa passagem sobre o amor genuíno, no capítulo 13: Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse Amor ... eu nada seria) com Camões (Amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói, e não se sente; é um contentamento descontente, é dor que desatina sem doer... ) e não com Pessoa. Acabei baixando um livro dele da biblioteca de domínio público para achar o poema.


Fontes: IMDB / wikipedia / cineplayers / dvdpt.com / filmeskbi.blogspot


Onde encontrar: DON'T PANIC / CINE GRÁTIS

Nenhum comentário:

Postar um comentário