*** em construção ***



sexta-feira, 3 de setembro de 2010

PRODUTORA HAMMER


SITE OFICIAL



FILMES DA PRODUTORA HAMMER


Drácula

1958 - O Vampiro da Noite ( Dracula / Horror of Dracula ) Dir: Terence Fisher. Com Christopher Lee, Peter Cushing, Michael Gough e Melissa Stribling.
1966 - Drácula, o Príncipe das Trevas ( Dracula, Prince of Darkness ) Dir: Terence Fisher. Com Christopher Lee, Barbara Shelley, Andrew Keir, Francis Matthews e Suzan Farmer.
1968 - Drácula, o Perfil do Diabo ( Dracula Has Risen from the Grave ) Dir: Freddie Francis. Com Christopher Lee, Rupert Davies, Veronica Carlson, Barbara Ewing e Barry Andrews.
1970 - O Sangue de Drácula ( Taste the Blood of Dracula ) Dir: Peter Sasdy. Com Christopher Lee, Geoffrey Keen, Gwen Watford, Linda Hayden, Ralph Bates e Anthony Corlan.
1970 - O Conde Drácula ( Scars of Dracula ) Dir: Roy Ward Baker. Com Christopher Lee, Dennis Waterman, Jenny Hanley, Christopher Matthews e Patrick Troughton.
1972 - Drácula no Mundo da Minissaia ( Dracula A.D. 1972 ) Dir: Alan Gibson. Com Christopher Lee, Peter Cushing, Stephanie Beacham, Michael Coles e Caroline Munro.
1974 - Os Ritos Satânicos de Drácula ( The Satanic Rites of Dracula / Count Dracula and His Vampire Bride ) Dir: Alan Gibson. Com Christopher Lee, Peter Cushing, Michael Coles, William Franklyn, Freddie Jones e Joanna Lumley.
1974 - A Lenda dos Sete Vampiros ( The Legend of the 7 Golden Vampires / The Seven Brothers Meet Dracula ) Dir: Roy Ward Baker. Com Peter Cushing, David Chiang, Julie Ege, Robin Stewart e John Forbes-Robertson.


A Trilogia Karnstein

1970 - Carmilla, a Vampira de Karnstein ( The Vampire Lovers ) Dir: Roy Ward Baker. Com Peter Cushing, Ingrid Pitt, George Cole, Kate O’ Mara, Ferdy Mayne, Madeline Smith e Dawn Addams.
1971 - Luxúria de Vampiros ( Lust for a Vampire ) Dir: Jimmy Sangster. Com Ralph Bates, Barbara Jefford, Suzanna Leigh, Michael Johnson e Yutte Stensgaard.
1971 - As Filhas de Drácula ( Twins of Evil ) ING 1971. Dir: John Hough. Com Peter Cushing, Dennis Price, Mary Collinson, Madelaine Collinson, Damien Thomas e David Warbeck.


Mais Vampiros

1960 - As Noivas de Drácula ( The Brides of Dracula ) Dir: Terence Fisher. Com Peter Cushing, Freda Jackson, Martita Hunt, Yvonne Monlaur e David Peel.
1964 - O Beijo do Vampiro ( The Kiss of the Vampire ) Dir: Don Sharp. Com Clifford Evans, Edward de Souza, Noel Willman, Jennifer Daniel e Barry Warren.
1971 - A Condessa Drácula ( Countess Dracula ) Dir: Peter Sasdy. Com Ingrid Pitt, Nigel Green, Sandor Elès, Maurice Denham e Lesley Anne Down.
1972 - O Circo dos Vampiros ( Vampire Circus ) Dir: Robert Young. Com Adrienne Corri, Thorley Walters, John Moulder-Brown, Anthony Corlan, Laurence Payne e Elizabeth Seal.
1973 - Capitão Kronos ( Captain Kronos, Vampire Hunter ) Dir: Brian Clemens. Com Horst Janson, John Carson, Shane Briant, Caroline Munro, Ian Hendry e Wanda Ventham.


Frankenstein

1957 - A Maldição de Frankenstein ( The Curse of Frankenstein ) Dir: Terence Fisher. Com Peter Cushing, Christopher Lee, Hazel Court, Robert Ulquhart.
1958 - A Vingança de Frankenstein ( The Revenge of Frankenstein) Dir: Terence Fisher. Com Peter Cushing, Francis Matthews, Eunice Gayson, Michael Gwynn.
1964 - O Monstro de Frankenstein ( The Evil of Frankenstein ) Dir: Freddie Francis. Com Peter Cushing, Peter Woodthorpe, Duncan Lamont, Katy Wild.
1967 - …E Frankenstein Criou a Mulher ( Frankenstein Created Woman ) Dir: Terence Fisher. Com Peter Cushing, Susan Denberg, Thorley Walters, Robert Morris.
1969 - Frankenstein Tem Que Ser Destruído! ( Frankenstein Must be Destroyed! ) Dir: Terence Fisher. Com Peter Cushing, Veronica Carlson, Maxine Audley, Freddie Jones. 1970 - Horror de Frankenstein ( Horror of Frankenstein ) Dir: Jimmy Sangster. Com Ralph Bates, Kate O’ Mara, Veronica Carlson, Dennis Price.
1974 - Frankenstein and the Monster from Hell ( inédito ) Dir: Terence Fisher. Com Peter Cushing, Shane Briant, Madeline Smith, Bernard Lee.


Múmia

1959 - A Múmia ( The Mummy ) Dir: Terence Fisher. Com Christopher Lee, Peter Cushing, Yvonne Furneaux, Eddie Byrne, Felix Aylmer, Michael Ripper.
1964 - A Maldição da Múmia ( The Curse of the Mummy’s Tomb ) ING 1964. Dir: Michael Carreras. Com Terence Morgan, Ronald Howard, Fred Clark, Jeanne Roland, Jack Gwillim.
1966 - A Mortalha da Múmia / O Sarcófago Maldito ( The Mummy’s Shroud ) Dir: John Gilling. Com Andre Morell, John Phillips, David Buck, Elizabeth Sellars, Maggie Kimberly.
1971 - Sangue no Sarcófago da Múmia ( Blood from the Mummy’s Tomb ) Dir: Seth Holt / Michael Carreras. Com Andrew Keir, Valerie Leon, James Villiers, Hugh Burden, George Coulouris.


Dr. Jekyll e Mr. Hyde

1960 - O Monstro de Duas Caras ( The Two Faces of Dr. Jekyll )Dir: Terence Fisher. Com Christopher Lee, Oliver Reed, Paul Massie, Dawn Addams, David Kossoff, Norma Marla, Magda Miller, Helen Goss.
1971 - O Médico e a Irmã Monstro ( Dr. Jekyll and Sister Hyde ) Dir: Roy Ward Baker. Com Ralph Bates, Martine Beswick, Gerald Sim, Lewis Fiander, Susan Broderick, Dorothy Alison, Irene Bradshaw.


Diversos

1955 - Terror Que Mata (The Quatermass Xperiment / The Creeping Unknown). Dir: Val Guest.
1956 - O Estranho de Um Mundo Perdido (X The Unknown). Dir: Leslie Norman.
1957 - A Usina dos Monstros (Quatermass 2 – Enemy From Space). Dir: Val Guest.
1957 - O Monstro do Himalaia ( The Abominable Snowman ) Dir: Val Guest. Com Peter Cushing, Forrest Tucker, Maureen Connell, Richard Wattis, Robert Brown, Michael Brill.
1959 - O Homem Que Enganou A Morte (The Man Who Could Cheat Death) Dir: Terence Fisher.
1959 - O Cão dos Baskervilles ( The Hound of the Baskervilles ) Dir: Terence Fisher. Com Peter Cushing, Christopher Lee, Andre Morell, Francis De Wolff, David Oxley, John Le Mesurier e Helen Goss.
1960 - The Stranglers of Bombay Dir: Terence Fisher.
1961 - Shadow of The Cat Dir: John Gilling.
1961 - The Full Treatment / Stop Me Before I Kill Dir: Val Guest.
1961 - The Terror of The Tongs Dir: Anthony Bushell.
1961 - Um Grito de Pavor (Taste of Fear) Dir: Seth Holt
1961 - A Maldição do Lobisomen ( The Curse of the Werewolf ) Dir: Terence Fisher. Com Oliver Reed, Clifford Evans, Yvonne Romain, Catherine Feller, Anthony Dawson, Josephine Llewellyn.
1962 - O Fantasma da Ópera ( The Phantom of the Opera ) Dir: Terence Fisher. Com Herbert Lom, Heather Sears, Thorley Walters, Michael Gough, Edward de Souza, Miriam Karlin, John Harvey.
1962 - Criaturas da Noite (Captain Clegg) Dir: Peter Graham Scott.
1963 - O Maníaco (Maniac) / Michael Carreras.
1963 - O Mundo os Condenou / Os Malditos (The Damned / These Are The Damned) Dir: Joseph Losey.
1963 - Paranóico (Paranoiac) Dir: Freddie Francis.
1963 - A Velha Casa Assombrada ( The Old Dark House ) Dir: William Castle. Com Tom Poston, Robert Morley, Janette Scott, Joyce Grenfell, Fenela Fielding, John Harvey.
1964 - A Górgona ( The Gorgon ) Dir: Terence Fisher. Com Christopher Lee, Peter Cushing, Richard Pasco, Barbara Shelley, Michael Goodliffe, Patrick Troughton.
1964 - Cilada Diabólica (Nightmare) Dir: Freddie Francis.
1965 - A Deusa da Cidade Perdida (She) Dir: Robert Day.
1965 - Fanatismo Macabro (Fanatic) Dir: Silvio Narizzano.
1965 - Nas Garras do Ódio (The Nanny) Dir: Seth Holt.
1965 - Terrível Pesadelo (Hysteria) Dir: Freddie Francis.
1966 - Epidemia de Zumbis ( The plague of the Zombies ) Dir: John Gilling. Com Andre Morell, Diane Clare, Brook Williams, Jacqueline Pearce, John Carson, Michael Ripper.
1966 - Rasputin, O Monge Louco ( Rasputin – The Mad Monk ) Dir: Don Sharp. Com Christopher Lee, Barbara Shelley, Richard Pasco, Francis Matthews, Susan Farmer, Renée Asherson.
1966 - A Serpente ( The Reptile ) Dir: John Gilling. Com Noel Willman, Jennifer Daniel, Ray Barrett, Jacqueline Pearce, Michael Ripper, John Laurie.
1966 - A Face do Demônio / Bruxa, A Face do Demônio ( The Witches / The Devil’s Own ) Dir: Cyril Frankel. Com Joan Fontaine, Kay Walsh, Alec McCowen, Ann Bell, Ingrid Boulting, Michele Dotrice, Duncan Lamont.
1966 - Um Milhão de Anos A.C. / Mil Séculos Antes de Cristo (One Million Years B.C.) Dir: Don Chaffey.
1967 - Mulheres Pré-Históricas (Slave Girls / Prehistoric Women) Dir: Michael Carreras.
1967 - Uma Sepultura na Eternidade (Five Million Years to Earth / Quatermass And The Pit) Dir: Roy Ward Baker.
1968 - As Bodas de Satã ( The Devil Rides Out ) Dir: Terence Fisher. Com Christopher Lee, Charles Gray, Nike Arrighi, Leon Greene, Patrick Mower, Gwen Ffrangcon Davies, Sarah Lawson.
1968 - A Vingança da Deusa (The Vengeance of She) Dir: Cliff Owen.
1968 - Jornada do Terror (Journey Into Midnight) Dir: Roy Ward Baker & Alan Gibson.
1968 - O Aniversário (The Anniversary) Dir: Roy Ward Baker.
1968 - O Continente Esquecido (The Lost Continent) Dir: Michael Carreras.
1969 - Gangsters na Lua (Moon Zero Two) Dir: Roy Ward Baker.
1970 - Num Crescendo de Violência (Crescendo) / Alan Gibson.
1970 - Quando os Dinossauros Dominavam a Terra (When Dinosaurs Rules The Earth) Dir: Val Guest.
1971 - As Mãos do Estripador (Hands of the Ripper) Dir: Peter Sasdy.
1971 - Criaturas que o Mundo Esqueceu (Creatures the World Forgot) Dir: Don Chaffey.
1972 - A Vida Íntima de Um Anormal (Straight On Till Morning) Dir: Peter Collinson.
1972 - Demônios da Mente (Demons of the Mind) Dir: Peter Sykes
1972 - Um Grito Dentro da Noite (Fear in the Night) Dir: Jimmy Sangster.
1974 - Me Chamam o Destruidor (Shatter) Dir: Michael Carreras & Monte Hellman.
1976 - Uma Filha Para o Diabo ( To the Devil a Daughter ) Dir: Peter Sykes. Com Christopher Lee, Richard Widmark, Honor Blackman, Denholm Elliott, Nastassja Kinski, Anthony Valentine.
1979 - Mistérios na Bavária (The Lady Vanishes) Dir: Anthony Page.


TELEVISÃO

1958 - Tales of Frankenstein, série de TV com apenas o episódio piloto “The Face in the Tombstone Mirror”, que não foi exibido.
1968-69 - Enigma (Journey to the Unknown), série de TV (17 episódios)
1980 - A Casa do Terror (Hammer House of Horror), série de TV (13 episódios)
1984 - Suspense (Hammer House of Mystery and Suspense / Fox Mystery Theater), série de longas-metragens de 75 minutos, produzidos especialmente para a TV (13 episódios)




Para qualquer aficionado por cinema de horror a palavra "Hammer" naturalmente se associa ao gênero que a consagrou. Porém, quando a Hammer Films tornou-se famosa mundialmente com as novas versões de Frankenstein e Drácula nos anos 50, produções que colocaram Peter Cushing e Christopher Lee no caminho anteriormente percorrido Karloff e Lugosi, ela já tinha muitos anos na produção de filmes na bagagem. As verdadeiras origens da Hammer Films remontam a 1913, quando Enrique Carreras comprou seu primeiro cinema em Hammersmith, Londres, negócio que ele foi gradualmente ampliando, desenvolvendo uma rede de salas de exibição. Carreras fez sociedade com William Hinds, este último um homem de negócios no ramo das jóias, metido no teatro de variedades com o nome artístico de Will Hammer. Juntos estabeleceram em 1935 uma companhia distribuidora de filmes, a Exclusive Films Ltd., trabalhando com filmes baratos e de baixa qualidade. Após a segunda Guerra, a Hammer - então subsidiária da Exclusive - incentivada a produzir filmes para suprir o mercado inglês recebeu o impulso necessário para se reformular e tentar uma melhor posição no mercado. Foram produzidas várias fitas modestas, de curta duração, em sua maioria thrillers de ação, espionagem e ficção científica. Os programas de rádio ingleses da época também serviram de base para algumas produções.

Durante a década de 50, as audiências cada vez mais encontravam seu entretenimento diário na tv, forçando os cinemas a oferecerem mais pelo dinheiro pago pelos ingressos e reconquistar o público. Muitos cinemas viram-se, inclusive, obrigados a fechar as suas portas, reduzindo as bilheterias disponíveis, o que por sua vez diminuiu os rendimentos - as companhias se beneficiavam de um recebimento fixo estabelecido indiferente ao êxito das produções. Os filmes se tornaram mais longos e foram introduzidas inovações como o CinemaScope. Para conseguir ser sucesso internacional um filme agora necessitava de astros de primeira grandeza - muito além dos recursos de uma pequena companhia como a Hammer - ou de algum aspecto de apelo extraordinário para compensar sua ausência. A Hammer, tendo à frente Michael Carreras (neto de Enrique) e Anthony Hinds (filho de William) - encontrou esse último elemento com a ficção científica Terror que Mata ( The Quatermass Xperiment - com essa ortografia arranjada para enfatizar o "X" que determina o certificado de filme somente para adultos).

Terror que Mata (1955) foi o primeiro empreendimento da Hammer que veio a tornar-se um grande sucesso internacional. Derivado de uma série que fez sucesso na tv em julho/agosto de 53, o filme dirigido por Val Guest preservou a qualidade da série original. Na trama, o professor Quatermass, o homem que pôs no espaço o primeiro foguete britânico, investigava o desaparecimento de dois astronautas em seu retorno. O único sobrevivente era afetado por misteriosas alterações e lentamente sucumbia à força alienígena que o possuía e transformava em um monstro que terminava sendo eletrocutado nas proximidades da Abadia de Westminster.
Graças ao êxito desse filme e após duas produções subsequentes (X-The Unknown e Quatermass II - Enemy From Space) a Hammer estava pronta para dar seu grande passo aos filmes de horror que a consagraram.

Aproveitando a tendência do público a seu favor, resolveu-se direcionar a produção para os filmes de terror, revitalizando nas telas os velhos monstros da Universal, vistos anteriormente nos filmes de horror americanos dos anos 30. Frankenstein e Drácula iniciaram essa leva. Dois importantes aspectos que consolidaram uma base sólida nessas e nas produções posteriores foram por um lado uma equipe assídua e fixa, que garantiam a eficiência e qualidade, somadas a muita seriedade e hábilidade em economia de produção. Também o uso da cor foi um fator decisivo.
.O primeiro foi A Maldição de Frankenstein (The Curse of Frankenstein), dirigido por Terence Fisher e estrelando um ator relativamente desconhecido: Peter Cushing. Logo em seguida veio o primeiro filme de Drácula, Horror de Drácula (Dracula ou Horror of Dracula) também dirigido por Terence Fisher e lançando outro ator - Christopher Lee - ao estrelato. Estes dois filmes ficaram como os maiores sucessos da Hammer, tendo rendido cerca de quatro milhões de libras e iniciado o filão que fez do nome Hammer um sinônimo de Horror no mundo inteiro, iniciando também um renascimento do gênero que se expandiu. Vale ressaltar que tal desempenho não foi mais conseguido nas produções que se seguiram.

.A Maldição de Frankenstein é a famosa história de Mary Shelley sobre Frankenstein e seu monstro. Pareceu ideal principalmente por estar em domínio público. Jimmy Sangster baseou seu roteiro na história original, todavia, tinha muito em comum com o clássico da Universal de 1931. Peter Cushing interpretou o barão Victor Frankenstein, que monta uma criatura utilizando partes de corpos humanos. O cérebro, danificado durante uma luta entre Frankenstein e seu assistente, resulta em um monstro (interpretado pelo pouco conhecido Christopher Lee) que ganha vida com violentas tendências criminosas as quais resultam em uma série de assassinatos pelos quais Frankentein é responsabilizado e condenado à morte na guilhotina.
O principal inconveniente na produção foi a proibição do uso da famosa maquiagem projetada por Jack Pierce para Boris Karloff no filme da Universal, protegida por direitos autorais. Phil Leakey, o maquiador da Hammer, apesar de tentar ser mais fiel à criatura idealizada por Mary Shelley, não foi inteiramente capaz de corresponder ao impacto necessário por tal criação. Mas o filme teve diversas vantagens, entre elas ter sido filmado em cores, então nada comum nesse tipo de filme porém bastante eficaz para realçar o impacto das partes sangrentas e violentas. Seus cenários, música e fotografia são excelentes. Foi realizado com bastante competência, ajudado pela sensível performance de Peter Cushing.

.Restaurou também a dignidade a um monstro que, desgastado nas mão da Universal, havia degenerado em um panaca coadjuvante de Abbott & Costello (Abbott and Costello Meets Frankenstein / 1948).

.O sucesso do filme, que obteve as maiores rendas entre todas as produções dos estúdios britânicos naquele ano, fez com que a Hammer logo anunciasse seu próximo empreendimento: Dracula.

.Com o mesmo time de produção e intérpretes, Horror de Drácula fez ainda mais sucesso, além de redefinir o modo de tratar o tema "vampiro" nos filmes. Christopher Lee, recém saído da maquiagem de monstro assumiu a responsabilidade de arrepiar o público como a personificação do Conde Drácula, enquanto Peter Cushing retratava o eminente vampirologista Dr. Van Helsing, equipado com crucifixos, estacas de madeira, alho e toda a parafernália que sua ocupação exigia. Também em cores, o filme foi muito além da versão original com Bela Lugosi, a começar por Lee, que, com sua cara de morto vivo era o próprio vampiro por trás de suas lentes oculares amarelas e vermelhas. Imponente, alto e elegante, investiu de poder e sensualidade diabólica sua caracterização, deixando transparecer toda a maldade necessária. Não foi à toa que Lee sempre será para os amantes do gênero o maior intérprete de Drácula, sua personificação. A interpretação teatral de Bela Lugosi, com seu gestual exagerado deu lugar à ação vigorosa, violenta, onde o sangue escorria em vermelho technicolor de mulheres decotadíssimas, ofegantes de prazer pela investida do Conde Lee. As estacas eram impiedosamente atravessadas e Cushing deu respeitabilidade ao nome Van Helsing, identificando-se com o personagem e popularizando-o. Entre os momentos memoráveis desse grande filme, temos a cena em que Jonathan Harker (John Van Eyssen) enterra uma estaca no coração da bela vampira que repousava em seu caixão, tornando-a uma horrível velha e o eletrizante final quando, durante o confronto, Van Helsing puxa as cortinas e forma uma cruz com dois castiçais, forçando Drácula a ficar exposto ao sol, cujo efeito é devastador. Só sobram as cinzas, que são levadas por uma rajada de vento.

Não vamos pormenorizar aqui todos os outros filmes de Frankenstein ou Drácula pela Hammer - isso fica para uma outra oportunidade - muito menos todas as produções de horror. Seria necessário um livro para isso. O importante é que graças ao sucesso desses filmes a Hammer decolou durante os anos sessenta, partindo para filmes com outros monstros famosos que já haviam feito carreira na Universal, todos produções com o padrão Hammer e memoráveis sob vários aspectos.Os próprios estúdios de Holywood se renderam cedendo direitos para remake.

Na primeira fase vamos destacar, todos dirigidos por Terence Fisher:

A Múmia ( The Mummy - 1959) , com Jimmy Sangster dando novo tratamento ao velho roteiro do filme de 1932 com Boris Karloff. Nesta nova versão, Christopher Lee no papel título como a múmia que volta a vida em busca de vingança contra os que profanaram a tumba de sua amada. Peter Cushing também presente como um sobrevivente da expedição que encontrou a tumba.

O Monstro de Duas Caras ( The Two Faces of Dr. Jekyll - 1960) foi a primeira produção da Hammer a abordar a história de Robert Louis Stevenson O Médico e o Monstro. De maneira engenhosa mudaram a forma como o sinistro Mr. Hyde havia sido caracterizado anteriormente, evidenciando o conflito de personalidades. Ao contrário do monstro cabeludo e simiesco dos primeiros filmes, o Hyde da Hammer tinha boa aparência. Era cool, jovial e sádico, para contrastar com um sisudo e grisalho Dr. Jekyll.

Em As Noivas de Drácula ( The Brides of Dracula - 1960) Peter Cushing permanecia como Van Helsing mas Christopher Lee foi substituído por David Peel como o Barão Meinster, o vampiro que é mantido em um castelo por sua mãe, que também lhe fornece as vítimas. É considerado um dos melhores filmes da Hammer no gênero.

A Maldição do Lobisomem ( The Curse of the Werewolf - 1961) trazia Oliver Reed como o jovem Leon, amaldiçoado a transformar-se em lobisomem nas noites de lua cheia. O filme traça toda a sua trajetória desde o nascimento até o trágico fim.

No remake de O Fantasma da Ópera ( The Phantom of the Opera - 1962) Herbert Lom ganhou o papel antes interpretado por Lon Chaney e Claude Rains nas versões anteriores.

Os anos setenta foram marcados por algumas produções memoráveis por sua ousadia e criatividade, mas também pela decadência da Hammer. O sexo e a violência foram realçados, os decotes aumentaram e a nudez pronunciou-se, com farto sortimento de seios. Foi o período "tits - and - teeth". É desse período a série de filmes com vampiras: Os Amantes Vampiros ( The Vampire Lovers), Luxúria de Vampiros ( Lust for a Vampire), As Filhas de Drácula ( Twins of Evil) e A Condessa Drácula ( Countess Dracula). Foram produzidos no período 1970 - 71. Os três primeiros (dirigidos respectivamente por Roy Ward Baker, Jimmy Sangster e John Hough) baseados no romance Carmilla de Sheridan Le Fanu traziam as deliciosas Ingrid Pitt, Yutte Stensgaard e as gêmeas Madeleine e Mary Collinson. Vampirismo e lesbianismo também estão presentes em A Condessa Drácula, dirigido por Peter Sasdy, onde Ingrid Pitt personifica a Condessa Elisabeth Nadasdy, uma óbvia referência à Condessa Bathory - a louca que no séc. XVII se banhava no sangue de suas vítimas.

Também do início dessa década temos o curioso O Médico e a Irmã Monstro ( Dr. Jekyll & Sister Hyde - 1971) de Roy Ward Baker, onde o Dr. Jekyll (Ralph Bates) sintetiza uma fórmula à partir de hormônios femininos e, ao aplicá-la em si mesmo transforma-se em uma bela mulher (Martine Beswick).

Em 1972 e 73, com Drácula no Mundo da Minissaia ( Dracula A.D.1972) e Os Ritos Satânicos de Drácula ( The Satanic Rites of Dracula) vemos a Hammer tentar se adaptar aos novos anseios do público. Em ambos os filmes, Christopher Lee e Peter Cushing voltam a encarnar Drácula e Van Helsing, agora na Londres pop dos seventies. No primeiro Drácula é ressuscitado por um discípulo moderno (Johnny Alucard) durante um ritual de missa negra em uma igreja abandonada. O segundo era uma esquisita mistura de filme de vampiro com James Bond. As forças de segurança inglesas procuram Van Helsing para desvendar os mistérios de uma estranha organização que promovia cerimônias satânicas com importantes figuras políticas. Nesse filme tem de tudo, desde gangs motorizadas até um grupo de mulheres-vampiro como guardas da casa onde se realizavam as cerimônias. É claro que o Conde estava por trás de tudo como o cabeça da organização e que detinha em seu poder um vírus mortal capaz de dizimar populações. Não precisa nem explicar porque o filme não deu certo e encerrou a carreira do Drácula da Hammer. O próprio Christopher Lee não gostou do filme.

A realidade porém era que o gosto do público mudou e já não mais se entusiasmava pelas velhas e já gastas fórmulas. O culto aos filmes de vampiros e monstros definhou e morreu, em parte culpa do grande número de imitadores com produções de baixa qualidade que na cola do sucesso da Hammer invadiu o mercado.

Também os punhos e pés de Bruce Lee, com seus socos e chutes agora empolgavam mais do que caninos ponteagudos, monstruosidades e seios pulando para fora de decotes. Era a época do Kung Fu. Em sua tentativa de se adaptar a Hammer acabou por decretar seu fim. Michael Carreras, na tentativa de garantir a sobrevivência da Companhia, tratou a realização de dois filmes em co-produção com os Shaw Brothers de Hong Kong. O primeiro foi A Lenda dos Sete Vampiros ( The Legend of the Seven Golden Vampires - 1973), dirigido por Roy Ward Baker. Parecia excelente a idéia de combinar vampiros com artes marciais, porém, nem mesmo Peter Cushing em seu invariável papel de Van Helsing parecia convincente. Shatter (1974), um constrangedor thriller de ação estrelado por Stuart Withman e dirigido pelo próprio Michael Carreras foi a segunda malfadada tentativa de juntar ocidente e oriente.

A co-produção Hammer/ Terra Filmkunst (Alemanha) Uma Filha para o Diabo ( To The Devil a Daughter - 1976) marcou o fim de uma era. Também não traduziu o "espírito" da Hammer para os novos tempos. Já bastante abalada e desgastada por problemas financeiros, a que foi a produtora independente britânica mais criativa encerrou suas atividades.Porém tudo o que a Hammer nos proporcionou ficará para sempre em nossas lembranças. Ela renovou o terror com um estilo único, agora datado, mas característico e incomparável. Suas imagens continuarão assombrando, imagens que já se incorporaram ao nosso inconsciente e nele permanecerão enquanto vivermos passando para as novas as gerações que conhecem o terror limitado aos efeitos especiais e tripas por tripas. Sempre nos lembraremos nas noites de lua de belas vampiras prontas a nos fazerem conhecer os segredos do amor e da morte, ou dos sinistros ladrões de sepulturas e cientistas prontos a descortinar o limiar entre o racional e as trevas. Lobisomens, múmias, criaturas que só saem à noite... Todo um imaginário tomou forma por intermédio de nomes como Michael Carreras, Anthony Hinds, Anthony Nelson-Keyes, Freddie Francis, Jimmy Sangster, Roy Ward Baker, Terence Fisher, Peter Cushing, Christopher Lee, e toda uma equipe de técnicos e artistas. A Hammer Films viverá para sempre. Seus vampiros, monstros capengas e assombrações continuarão se arrastando no sótão de nossa imaginação.



2 comentários:

  1. Artigo perfeito para quem procura a história dessa grande e importante produtora para o cinema de terror. Parabens amigo pelo otimo texto, e pela informações contidas nele, foi de grande ajuda para esse adorador do cinema fantastico.
    Meu nome é Evandro Sal do Sexta Meia Noite (SextaCast).

    ResponderExcluir
  2. Excelente texto, os filmes da Hammer são eternos, na minha opinião o Christopher Lee foi o melhor Dracula do cinema.

    ResponderExcluir